greenlife  
Colin Beavan


UMA VIDA SEM IMPACTOS AMBIENTAIS É POSSÍVEL?

Escritor americano passa um ano vivendo de maneira radicalmente ecológica e conta sua experiência em livro e filme.
Por Unit Team
Fotos: Divulgação

Mesmo morando no nono andar de um apartamento em Nova York, Colin Beavan, sua mulher Michelle e a filha de dois anos, Isabella, não usavam elevador. Qualquer meio de transporte movido direta ou indiretamente a combustíveis fósseis — elevador, automóvel, ônibus ou metrô — foi abolido, e a família só andava a pé ou de bicicleta. Eles só compravam comida local, produzida num raio de 400 quilômetros da cidade, e não usavam sacolas plásticas.

A experiência teve algumas atitudes mais radicais, como não usar eletricidade dentro de casa. Isso significou deixar de assistir TV e lavar as roupas jogando-as dentro da banheira e pisando nelas, fazendo com os pés o trabalho de uma máquina de lavar. Da alimentação, foram cortados a carne vermelha e até o café; no banheiro, nada de xampu, pasta de dentes ou papel higiênico.

Esse estilo de vida era a base do projeto No Impact Man, em que Beavan e a família passaram um ano, entre 2006 e 2007, procurando provocar o menor impacto ambiental possível. A experiência virou livro e documentário, que acabam de ser lançados nos Estados Unidos.

no impact man

Beavan calculou que, durante o ano do projeto, sua família deixou de enviar para o lixo 2190 copos de plástico ou de papel, 572 sacolas plásticas e 2184 fraldas descartáveis. Dois anos depois do final da experiência, como conta a reportagem publicada no jornal The New York Times, eles haviam retomado alguns hábitos. A eletricidade foi religada, mas com uso restrito ao mínimo necessário, pois eles continuaram sem ligar o ar condicionado, a máquina de lavar louça e o freezer. Eles agora pegam o elevador em vez de subir os nove andares pelas escadas, mas não abandonaram a bicicleta. A carne vermelha foi eliminada do cardápio, mas o café e o azeite voltaram.

Uma vida mais feliz
Como Colin Beavan relata em seu blog, passar um ano com tantas restrições foi um processo difícil para ele e para a família, mas a experiência o levou a grandes descobertas. “Uma das coisas que eu não esperava quando vivi o mais ecologicamente possível por um ano é que eu acabaria, em vários sentidos, sendo mais feliz”, conta.
Agora, o escritor está engajado em viabilizar o No Impact Project, um projeto que pretende levar as pessoas a fazer uma experiência semelhante durante uma semana. O objetivo, de acordo com Beavan, é que as pessoas descubram quais mudanças na direção de um estilo mais ecológico poderiam lhes trazer uma vida melhor. “Não se trata de privação ambiental”, afirma Beavan em seu blog. “Trata-se de como podemos ser pessoas mais felizes ajudando a construir um planeta mais feliz.”

Colin Beavan

Para Raquel Diniz, coordenadora de Capacitação Comunitária do Instituto Akatu, mais importante do que o resultado de experiências radicais como o No Impact Man é a aprendizagem que esse processo traz. “Se a pessoa deixa de ver televisão, inventa outra coisa para fazer e vai descobrindo novas potencialidades. Isso é o mais importante na hora de criar um novo jeito de viver”, afirma Raquel. A experiência de Beavan, segundo ela, é uma grande lição para quem vive em grandes cidades: “como podemos reinventar nosso modo de viver, causando o menor impacto possível e sendo mais feliz, sem ter de ir para o meio do mato?”.

Fonte: Instituto Akatu

 
wwf
 

imprimir