pet
pet


HACHIKO A DOG'S STORY

Por Renata Scarpa
Fotos Divulgação

Ontem, lendo a sinopse do filme “Hachiko a dog's story”, emocionei-me principalmente ao saber que foi baseado em uma história verdadeira.
Conta que todos os dias, o cachorro Hachiko acompanha o seu dono, um professor universitário, até a estação de trem e volta para a estação na hora exata em que o professor volta para casa.
Um dia, o professor repentinamente morre durante a aula. O cachorro continua indo à estação de trem todos os dias à procura de seu dono, por quase uma década.
No dia 8 de março de 1935, Hachiko finalmente foi se encontrar com o seu mestre. Ele morreu no mesmo lugar em que seu amigo o deixou pela última vez.
As pessoas que passavam e acompanharam a fidelidade do cachorro se comoveram tanto com a história que resolveram erguer uma estátua em sua honra.
Em 1934, o famoso artista Ando Teru foi contratado para esculpir Hachiko em bronze.
Em seguida, lembrei-me de um e-mail já bastante conhecido, mas que vale a pena relembrar, o qual conta a história de Mozart e seu cachorro.
Wolfgang Amadeus Mozart, grande compositor clássico, teve vários anos de glória, sendo reconhecido por reis e rainhas de toda Europa.
No entanto, nunca soube lidar com dinheiro.
Já casado, começou a ver sua vida desmoronar. A mulher abandonou-o. A mãe, que tanto amava, adoeceu gravemente. Mozart, sem dinheiro, triste e desiludido, caiu enfermo.

pet

pet

O único amigo fiel, seu cachorro, foi quem ficou ao seu lado até o dia de sua morte, em 5 de dezembro de 1791.
Mozart foi enterrado numa vala comum. Sua mulher, Constanze, que estava em Paris, ficou sabendo da morte e partiu para Viena a fim de visitar o túmulo do marido. Ao chegar lá, entrou em desespero ao saber que Mozart havia sido enterrado como indigente, sem que lhe dessem nem uma placa com seu nome como lápide.
Era dezembro, fazia frio e chovia em Viena. Constanze resolveu vasculhar o cemitério à procura de alguma pista que pudesse dizer onde Mozart fora enterrado. Procurando entre os túmulos, viu um pequeno corpo, congelado pelo frio, em cima da terra batida. Chegando perto reconheceu o cachorro querido de Mozart.
Hoje, quem visitar Viena, verá um grande mausoléu, onde está o corpo de Mozart e de seu cachorro. Foi por causa do amor desse animal de estimação que Mozart pode ser achado e removido da vala comum onde fora enterrado.
Ele permaneceu com seu dono até depois do final.
Morreu junto ao túmulo de seu dono, porque, sem ele, não poderia mais viver.

“Em toda a história do mundo há apenas uma coisa que o dinheiro não pode comprar: o abano da cauda de um cachorro."

renata@scarpa.com.br

 

 
UNITYOU
 
pet

enviar