pet
pet

PÁSSAROS NA CIDADE

Por Renata Scarpa
Fotos Divulgação

Apesar de tanto concreto e tanta poluição, São Paulo abriga uma diversidade imensa de pássaros, que, além da beleza, encantam pelo canto característico e único que cada um produz.
Por gostar de ouvir o canto dos pássaros e admirar sua beleza é que as pessoas costumam criá-los em gaiolas, cultivar plantas ou fornecer alimentos que possam atraí-los. Desta forma, a natureza parece estar mais próxima, trazendo uma sensação de paz e tranquilidade, proporcionando bem-estar.

Não importa se você mora em casa ou apartamento, cidade ou interior: quintais, jardins e até janelas podem virar cenário constante de pássaros de diversas espécies. Quando as aves se aproximam de nós é possível admirá-las em toda sua beleza. Da admiração vem o desejo de mantê-las sempre por perto para apreciar a beleza de suas cores e ouvir a melodia dos diferentes trinados.
Preste atenção no que você vai dar de alimento aos pássaros, frutas, sementes e algumas verduras podem ser despejadas na própria grama, em aparadores ou comedouros feitos especialmente para esta função. Já os bebedouros devem conter apenas água; nunca dê açúcar, nem mesmo para beija-flor; que deve ser trocada todos os dias para evitar doenças e contaminações.

Para que os passarinhos permaneçam sempre por perto, devemos tornar o local propício ao abrigo, alimentação e reprodução das aves. Para isso, a receita é simples: como grande parte dos pássaros alimenta-se de frutas, para que os passarinhos não deixem a cidade, basta investir no plantio de árvores frutíferas em parques, jardins, canteiros e quintais. Tendo alimento à disposição, as aves permanecem e, da mesma forma, elas voltam aos locais que abandonaram. Assim, poderemos ouvir novamente o canto dos passarinhos, mesmo nos grandes centros.

Alguns pássaros que costumamos ver na cidade:

BEIJA-FLOR (Trochilidae sp): são atraídos por flores coloridas, geralmente tubulosas, e produtoras de néctar. Seu bico arrojado permite beber diretamente do nectário floral sem precisar pousar;

pet

BEM-TE-VI (Pitangus sulphuratus): seu canto imita um chamado, dando a impressão de cantar seu próprio nome: "bem-te-vi, bem-te-vi". Seus principais alimentos são frutas. Considerado um dos pássaros mais populares do Brasil, é um dos primeiros a vocalizar ao amanhecer;

pet

JOÃO DE BARRO (Fumarius rufus): utiliza habilmente o barro misturado com fibras vegetais para construir seu característico ninho de barro em forma de forno em cima de árvores, postes ou telhados. É a ave símbolo da Argentina, onde é chamado de hornero ("Ave de la Patria" - desde 1928) ;

pet

PARDAL (Passer domesticus): considerado um dos pássaros mais populares do Brasil, é um dos primeiros a vocalizar ao amanhecer;
POMBO COMUM (Columba livia): o pombo-doméstico, comum de ser encontrado na cidade, é uma ave mansa que vive em parques, praças e, principalmente, em beirais de telhados residenciais ou comerciais, onde nidificam. Devido à grande oferta de alimento, a população tem crescido muito, ocasionando transtornos, como sujeiras provenientes de suas fezes que podem transmitir muitas doenças;

pet

SANHAÇO-CINZA (Thraupis sayaca): o sanhaço-cinza é uma bonita ave de colorido cinza-azulado, extremamente comum em áreas rurais e cidades, em especial nos bairros mais arborizados. No estado de São Paulo, é uma das aves mais importantes como dispersoras de sementes, pois, ao comer os frutos, não danifica as sementes, que engole e elimina mais tarde, intactas e longe da planta-mãe;

pet

PERIQUITO-VERDE (Brotogeris chiriri): acabou encontrando um ambiente propício na cidade. Há coqueiros e palmeiras em praças e jardins que lhe fornecem alimento, enquanto que, na Mata Atlântica (seu verdadeiro habitat), o palmito, sua principal fonte de sustento, está em extinção. Voam em bandos e não é raro realizarem voos muito baixos em grandes avenidas. Por isso, são comumente encaminhados a clínicas veterinárias com fraturas por atropelamento ou decorrentes de traumatismos em janelas e vitrines;

pet

SABIÁ-LARANJEIRA (Turdus rufiventris): também conhecido como sabiá amarelo ou de peito roxo, tornou-se, em 2002, a ave-símbolo do Brasil por sua imensa popularidade no país, citada por diversos poetas como o pássaro que canta na estação do amor, ou seja, na primavera.

pet

PAPAGAIO VERDADEIRO (Amazona aestiva): sobrevoam áreas residencias, principalmente arborizadas. Não é raro ver bandos de papagaios sobrevoando os bairros do Morumbi e Boa Vista, além do parque do Ibirapuera;

pet

PERIQUITÃO MARACANÃ (Leucophtalmus): são grandes periquitos verdes com alguma coloração vermelha na asa e na cabeça. Fazem ninhos em palmeiras e estão presentes em grande quantidade na cidade;

pet

CORUJINHA DO MATO (Otus choliba): não é estritamente noturna e fica quase sempre empoleirada em árvores. É uma das corujas mais comuns em cidades, parques urbanos e fazendas. Seu canto lembra o de um sapo-cururu. Caça grandes insetos, como gafanhotos e mariposas, principalmente próximo a postes de iluminação, onde estes se concentram;

pet

CORUJINHA BURAQUEIRA (Athene cunicularia): recebe esse nome pois vive em buracos cavados no solo; embora seja capaz de cavar seu próprio buraco, prefere os buracos abandonados de outros animais, é um pássaro de hábitos diurnos;

pet

QUERO-QUERO (Vanellus chilensis): Trata-se uma ave do tamanho de uma perdiz e caracteriza-se pelo colorido geral cinza-claro, com ornatos pretos na cabeça, peito e cauda. A barriga é branca e a asa tem penas verde-metálicas. Apresenta um penacho na região posterior da cabeça; o bico, os olhos e as pernas são avermelhados. Ficam muito à vontade em imensos jardins e terrenos descampados. São as aves mais presentes dentro do campo em partidas de futebol;

pet

GAVIÃO CARCARÁ (Polyborus plancus): ave de rapina muito oportunista, alimenta-se de filhotes de outras aves que estejam no ninho, carniceiro, alimenta-se, também, de restos de animais mortos em rodovias.

pet

De acordo com o biólogo Andreas Köhler, professor da Unisc, a presença dos pássaros na área urbana é um fenômeno que pode ser analisado sob três enfoques. Um deles é o desmatamento, que reduz a alimentação no habitat natural. Depois, vem a abundância de alimento na cidade, onde existe resto de comida nas ruas e mesmo nos pátios, sem falar nos insetos que são atraídos pelas luzes urbanas. Em terceiro, o fato de os pássaros terem perdido o medo dos humanos.

renata@scarpa.com.br

 

 
UNITYOU
 
pet

enviar